Transtorno obsessivo-compulsivo homossexual (HOCD)

As imagens e pensamentos intrusivos, bem como impulsos, são frequentes no transtorno obsessivo- compulsivo (TOC). Eles parecem credíveis, mas são indesejados e irracionais. Uma boa parte do sofrimento nesta situação é devido à ilusão de que um pensamento forte e uma ação são equivalentes. Mas a realidade é distinta do que pensamos. Podemos pensar milhares de vezes em coisas indesejadas, como “fazer mal em alguém”, mas o nosso comportamento real é pacífico.

Um das dúvidas obsessivas é em relação à orientação sexual e homossexualidade. É a dúvida persistente sobre ser ou não homossexual ou que um dia se possa vir a tornar, devido a pensamentos e ideias que se intrometem na consciência. HOCD é um tipo de transtorno obsessivo- compulsivo (TOC). Estas obsessões são ativadas por pessoas ou sinais ligados à homossexulidade, como ver uma bandeira, pessoas, objetos ou um bar gay e de repente ter uma emoção forte, acompanhada por dúvidas como “será que sou gay escondido? e se me tornar de repente? serei lésbica e não sei? “. Estes pensamentos não são desejados nem escolhidos, mas fazem sentir-se compelido a repetir comportamentos específicos e verificações da sua “verdadeira” sexualidade. Por exemplo, tentar masturbar-se para ver se tem prazer a observar homens, afastar-se de qualquer coisa homossexual (por medo de tornar-se gay) ou verificar se está realmente atraído por alguém, são compulsões típicas.

No HOCD, o indivíduo não consegue evitar certos pensamentos ou comportamentos que colocam em dúvida a sua orientação sexual, levando a ter medo de ser atraído por membros do mesmo sexo. Na realidade, a sua orientação sexual verdadeira é heterossexual, mas os pensamentos intrometem-se na mente, como por exemplo, como “vais ser atraído por homens” ou “tu gostas de homens”. E isto também pode acontecer com homossexuais.

Sinais e sintomas

O HOCD leva ao receio de que os pensamentos obsessivos tomem conta da consciência e que alterem a real orientação sexual. Isto leva a um aumento da ansiedade, e posteriormente a piorar o desempenho sexual, o que aumenta o medo de a obsessão tomar conta do indivíduo. Os pensamentos intrusivos podem-se intrometer em qualquer situação, como sentir um forte de impulso de atração por alguém, quando é apenas uma resposta obsessiva, e não uma verdadeira atração sexual. Este conflito entre o HOCD e a real orientação leva a uma procura constante de tentar verificar e garantir a orientação sexual, mas isto apenas aumenta o ciclo vicioso.

Compulsões no HOCD:

Analisar o passado para verificar se houve alguma “tendência” homossexual ou algum sinal “suspeito”

Estar sempre a pensar na orientação sexual, como forma de tentar controlar a verdadeira orientação

Olha para pessoas atraentes, como forma de “testar” a sua orientação sexual

Verificar se está “excitado” com a presença de pessoas da orientação que não é a verdadeira

Viver com HOCD

Quando a HOCD se instala, a vida pode ser angustiante, pois ocupa uma boa parte do pensamento habitual, além do medo de poder ter uma orientação, que no fundo, não deseja.

Terapia Cognitivo- Comportamental e ACT

A Terapia Cognitiva e as técnicas de aceitação plena são eficazes para ultrapassar a situação.

São recomendadas cerca de 10 a 20 sessões para o trabalho nas seguintes questões:

  • Compreender os erros de interpretação, como os rituais agravam a questão, a manutenção dos pensamentos
  • Compreender que tentar controlar o pensamento apenas o torna mais forte
  • Compreender a diferença entre orientação sexual e os pensamentos obsessivos
  • Aprender a observar, sem julgar ou reprimir os pensamentos e obsessões.
  • Aprender técnicas de aceitação plena, como o desapego consciente dos pensamentos e a observação dos pensamentos a partir da “varanda”.
  • Expor-se gradualmente aos estímulos, objetos, situações que desencadeiam as obsessões
  • Gerir a ansiedade e as emoções

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.