A importância de transmitir valores de vida para os mais novos…

O que são valores e qual a sua importância na formação do caráter?

Os valores são crenças básicas sobre os ideais ou princípios que devem orientar a nossa vida, ou seja, aquilo que acreditamos que é realmente importante fazer, o que nos faz feliz, nos realiza, orgulha, nas diferentes áreas, como o trabalho, relacionamentos pessoais ou estilo de vida. É muito importante conhecermos os nossos valores, através da exploração do mundo, pois é através da diversidade de experiências que vivemos e das diferentes relações interpessoais e amorosas, que conseguimos perceber o que é “correcto”, adequado, bom para nós e como isto vai permitir construir a personalidade e carácter.

Esta construção do indivíduo,  da personalidade, é uma gigantesca aprendizagem, que tem como origem os comportamentos e atitudes que recebemos dos pais, dos educadores , da cultura  e sociedade , estando impregnadas de valores, daí ser uma base, que nos influencia através de múltiplas experiências e influências, a estruturar a personalidade, que depois se concretiza em crenças centrais, que o indivíduo tem de si e do mundo, que norteiam muito do comportamento.

Quanto melhor for este auto-conhecimento, mais adequadas vão ser as acções que vamos encetar para corresponder aos nossos valores, pois a satisfação e realização na vida depende muito da concordância (ou alinhamento ) do nosso comportamento com os nossos valores. Se o desporto é sentido como um ideal , mas não faz nenhuma prática desportiva, é provável de ser menos feliz; se as amizades são um valor e dedica uma parte da vida a construir boas amizades, é provável de viver mais satisfeito.

Transmissão de valores desde os primeiros anos de vida

Desde os primeiros anos de vida, as crianças sentem e percebem as intenções, as relações com as pessoas e o cenário que os pais lhes propiciam. Se desde cedo, os pais proporcionarem segurança e ensinarem regras para respeitar os outros, através do exemplo “deixa falar o teu amiguinho, depois falas tu”, é provável de se tornarem adultos respeitadores. 

Se perceberem o cuidado dos pais- ao receberem atenção e carinho tendem a ser pessoas cuidadosas e carinhosas em adulto e com auto-estima- e este tornou-se um valor aprendido.

Os valores que os pais transmitem devem ser congruentes

A construção da personalidade está sempre sujeita a múltiplas influências de pessoas e situações muito diferentes, é um processo contínuo ao longo da vida. Faz parte do desenvolvimento a existência de crises ou dificuldades na adaptação às experiências porque irá ouvir pessoas diferentes e contraditórias e perceber mensagens opostas, do mundo que a rodeia. 

É importante que os pais transmitam coerência nos seus diálogos e atitudes e estarem atentos a sinais de uma possível crise, que a criança possa manifestar, como uma tristeza aparente, perder vontade de ir à escola ou ter menor aproveitamento e manter uma abertura para conversar, sem julgamentos, de forma que a criança sinta liberdade para expressar os seus sentimentos e perceções.

O importante é ajudar a criança a criar autonomia e responsabilidade na forma de pensar para compreender e integrar as diferentes possibilidades de viver, mas sabendo privilegiar os valores mais positivos (baseados na ética).

A transmissão de valores pouco claros

Os valores podem-se tornar demasiado esbatidos, pouco claros, devido a factores como pais ausentes da educação dos filhos ou poucas relações sociais (fazemos cada vez menos parte de grupos e associações) o que cria menos oportunidades de aprendizagem de valores importantes para a vida, como a cooperação, assertividade ou trabalho de grupo.

Com a menor exposição a pessoas como referências ou a experiências enriquecedoras, perdem-se ingredientes que iriam ajudar a construir uma personalidade com mais significado e propósito.

Pode-se perder-se um certo sentido da nossa identidade, ou uma falta de orientação para aquilo que é importante ser e fazer. Se não exploramos o mundo não iremos perceber os valores que nos importam. Pode-nos tornar mais apáticos e passivos, ou alienados porque perdeu-se uma motivação para atingir algo. Mas se colocarmos acções em prática, por exemplo, que vão ao encontro do valor de justiça, podemos estar envolvidos em associações, sindicatos e partidos , nos quais lutamos pelo valor que acreditamos.

Recuperar e redefinir valores

Os valores não são fixos ao longo da vida, eles transformam-se, podem-se perder de vista e voltar a ser percebidos e reforçados. Podemos fazer uma  auto-avaliação das forças de caracter em https://www.viacharacter.org/survey/account/register e redescobrir outros sentidos para a vida.

Podemos parar para refletir sobre o rumo que estamos a dar à nossa vida e perguntar: “Quando fui mais feliz, quando senti mais orgulho de mim próprio? O que me falta fazer, aprender, descobrir na vida que lhe daria mais sentido , cor, energia? O que me faria sentir mais alinhado com o meu interior? Que pessoas me inspiraram a dar o melhor de mim? O que devo fazer para sentir mais vivo e motivado?

Valores fundamentais para os filhos ou outras crianças a nosso cargo

O valor pelo respeito das diferenças entre as pessoas, ensinando que cada ser humano é único e todos merecemos ser tratados com justiça.

O valor da responsabilidade, no sentido de construir autonomia para construir o seu projecto de vida, manter a auto estima, e também a responsabilidade  num sentido mais social- de ser solidário com os outros, com o meio ambiente.  A responsabilidade pela nossa a auto-estima, que  é ter consciencia das nossas ações, é assumir o que somos,  e assumir a responsabilidade pela gestão da vida, ser responsável pelas consequências dos nossos comportamentos, saber pensar de forma autónoma e crítica, procurando explorar o nosso potencial, (em vez de uma atitude passiva em que culpamos os outros pelas nossas falhas e pela nossa vida). Auto- estima é muito ligada a este sentido de responsabilidade pessoal, onde sentimos o poder e necessidade de agir,é expressar e procurar satisfazer as nossas necessidades, mas também com atitudes responsáveis , considerando os outros e o ambiente. 
Os pais podem transmitir às crianças desde cedo, ensinando aos filhos algumas responsabilidades pelas tarefas diárias, como ensiná-las a vestir e a calçar. (cria responsabilidade e auto-estima). Podem ensinar-lhes que são responsáveis pelo seu quarto, onde podem aprender a fazer a sua arrumação e limpeza, com as sugestões dos pais (se os pais fizerem sempre isto pelos filhos podem ficar tornã-los mais irresponsáveis). Os pais podem lhes taribuir pequenas tarefas domésticas , elogiando a responsabilidade (“com a tua arrumação tens um quarto mais bonito”,)

O valor da criatividade, que permite uma abertura para descobrir, explorar o desconhecido, e aprender, que é tão importante num mundo competitivo.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *