Quando deve consultar um Psicólogo

Razões para consultar

Quase todas as pessoas experimentam períodos de stress, ansiedade ou tristeza, mas quando estas situações se tornam prolongadas ou habituais, torna-se difícil ver a necessidade de consultar um psicólogo. 

Segundo os autores Kanfer e Goldstein, existe um problema psicológico quando estão reunidas as seguintes condições:

1- O indivíduo sofre de uma falta subjectiva de bem- estar que não consegue eliminar por si próprio.

2- O indivíduo manifesta défices ou excessos de comportamentos que interferem no funcionamento considerado adequado (normal) por si mesmo e/ou pelos outros.

3- O indivíduo participa em actividades que são questionáveis pelas pessoas que o rodeiam e que têm consequências negativas que revertem sobre si próprio ou sobre os outros.

4- O indivíduo mostra desvios comportamentais que têm como resultado fortes sanções sociais nas pessoas mais próximas do seu meio.

in  Kanfer, F. y  Goldstein, A. (1987). Cómo  ayudar al cambio en psicoterapia. Bilbao. Ed.DDB

Provavelmente deve-se consultar um psicólogo competente sempre que se precise, mas existem razões fortes para pensar no assunto quando:

– Encontrar-se mal fisicamente ou ter dores sem uma explicação médica concreta

– As pessoas à sua volta sugerem-lhe que procure ajuda, de forma recorrente. Os nossos amigos ou pessoas mais chegadas poderão ver sinais ou padrões que são difíceis de ver por dentro. Por vezes poderão comentar “Estás bem?”, “passa-se alguma coisa?” , “pareces mais triste”, de maneira frequente. Se isto acontecer muito poderá ser bom seguir o conselho delas. 

– Não é feliz ou há sentimentos de tristeza e desesperança por um período prolongado (por mais de alguns meses)

– Ninguém o suporta e é- lhe difícil estabelecer relações cordiais com os outros (evitando relacionamentos pessoais , apesar de os desejar, por exemplo)

– Não dorme o suficiente 

Sente-se sempre cansado ou preocupado. 

– Perdeu o interesse por tudo, tem uma sensação de vazio ou está sempre triste. 

-Sentir-se desconectado de atividades anteriormente amadas. Se o seu café, clubes, encontros com amigos e reuniões de família perderam a alegria anterior, isso pode ser um sinal de que algo está errado; Se se sentir desiludido, sentindo que não há muito propósito ou uma sensação geral de infelicidade, ver um terapeuta pode ajudá-lo a recuperar alguma clareza ou começar numa nova direção.

– Julga que ninguém o compreende e não gostam de si.

– Comete demasiados e contínuos erros na vida.

– É dependente de álcool, drogas, medicamentos, jogo ou comida, mesmo que seja uma dependência mínima. Se pensa em beber ou usar drogas em maior quantidade ou com mais frequência – esses podem ser sinais de que você deve entorpecer sentimentos que deveriam ser tratados.

Essa substância pode até ser comida.

– Sente-se muito nervoso ou perturbado e foge à mínima contrariedade

– É incapaz de tomar uma decisão importante

– Sofreu um trauma ou problema grave ou uma mudança radical na sua vida.

– Sofre de medos e fobias que lhe limitam a liberdade. Sentir-se absorvido com raiva ou tristeza regularmente pode indicar um problema subjacente, mas há outra intensidade a ser procurada: a catastrofização. Quando um desafio imprevisto aparece, você assume imediatamente que o pior cenário ocorrerá? Essa intensa forma de ansiedade, na qual toda preocupação é exagerada e tratada como um resultado realista, pode ser realmente debilitante.

– Pôs em perigo a sua vida ou a dos outros

– Não consegue estabelecer relações amorosas ou sexuais satisfatórias.

– Vê ou ouve coisas que ninguém vê ou interpreta acontecimentos de forma invulgar ou rara

– Qualquer mudança quotidiana o altera

 

Mitos e estereótipos da consulta

Um obstáculo ainda frequente, que faz com que algumas pessoas não consultem um psicólogo, é acreditarem que é um sinal de fraqueza, vulnerabilidade ou que estão “malucas” a ida a um profissional de saúde mental. Na realidade ir a um psicólogo é um sinal de auto-estima porque está a agir no sentido de se melhorar, auto- conhecer ou aprender com um técnico- está a tratar-se bem!

Ser humano é sentir vulnerabilidade- o nosso sistema emocional é feito para nos proteger e dar um sinal de alerta através de emoções positivas. portanto todas as emoções são necessárias (até certo ponto) porque nos indicam o que é preciso fazer ou mudar. Por isso, não é boa ideia avaliar negativamente as emoções– são apenas sinais (muitas vezes automáticas e involuntárias!), ou até um sinal que precisa de ajuda. 

Ir ao psicólogo significa que está consciente e lúcido, tal como alguém que procura exercitar-se bem ou comer saudavelmente, ao contrário de um certo estereótipo que “psicólogo é para malucos”. 

Outro dos mitos é que algumas pessoas acreditam que vão ficar “presas” à terapia. Não existe qualquer “obrigação” ou contrato ou em ficar ou um número mínimo de sessões, para todas as pessoas. Algumas pessoas podem ter grandes benefícios em duas consultas, mas outras em 6 meses. Poderei sugerir um processo, mas a escolha é sempre sua. 

Além destas razões, ir ao Psicólogo pode ser por motivos positivos, como por exemplo aprender princípios de psicologia positiva, melhorar a auto-estima ou em aspectos do desenvolvimento pessoal, que não implicam qualquer tipo de transtorno.

Última Actualização

02-abr-2019

 

Para saber mais:

Associação Americana de Psicologia- Quando considerar psicoterapia