Amor, Sexo e Género

Amor, sexualidades e afectos…

A sexualidade é a forma como entendemos os nossos corpos e como entendemos os nossos relacionamentos. Isto inclui todos os aspectos de quem somos – os nossos valores e crenças, corpos, desejos, relacionamentos, género e os nossos pensamentos e sentimentos sobre tudo isto. A sexualidade é composta de vários componentes diferentes; a nossa compreensão da nossa própria sexualidade é sempre mutável e única para cada pessoa.

O mais importante sobre a sexualidade é que ela é autodefinida: cada pessoa entende a sua própria sexualidade à sua maneira no que faz sentido para si. A sexualidade é dinâmica e pode mudar e ter significados diferentes ao longo da vida.

Podemos descobrir que partes diferentes das nossas vidas podem interagir umas com as outras de maneira confusa ou afirmativa. Faz parte do nosso desenvolvimento normal! Explorar a nossa própria sexualidade, enraizada nos princípios do consentimento e dos direitos sexuais, é um fator determinante da nossa saúde e bem-estar.

Existe uma diversidade de características sexuais, orientações sexuais e identidades de género; existem muitos tipos diferentes de sexualidade e pode demorar um pouco para as pessoas descobrirem o que é o melhor para elas.  O importante é que este leque de experiências possíveis entre pessoas livres e conscientes fazem parte da ampla gama normal de relacionamentos e experiências humanas.

A sexualidade de uma pessoa é uma parte central de quem ela é e pode influenciar seus pensamentos, sentimentos e ações.

Identidade de Género: Refere-se ao género com que a pessoa se identifica (como sendo um homem ou uma mulher ou transgénero)

Cisgénero: são as pessoas cuja identidade de género corresponde àquela que lhes foi atribuída à nascença.

Transgênero: têm uma identidade ou expressão de género diferente do sexo que lhe foi atribuído.

Expressão de género: É o conjunto de vestimentos, acessórios, modificações corporais (tatuagens, piercings), maquialhagens, estilos de cabelo, depilação ou não, comportamentos (modos de agir, modos de falar) por quais uma pessoa exterioriza a sua identidade de género. As características de género são muitas vezes arbitrárias e podem mudar quer ao longo do tempo quer de cultura para cultura. Muitas vezes confunde-se o conceito de género com o conceito de sexo biológico.

Sexo biológico: Conjunto de características físicas, anatómicas, corporais, hereditárias, constitucionais, cromossómicas, genéticas, de manifestação primária (e.g. genitais) e secundária (e.g., sinais pubertários).

Orientação sexual refere-se a sentimentos sexuais e românticos para pessoas do mesmo sexo, ou a um género diferente ou mais de um género. As pessoas que identificam a sua orientação sexual como  “heterossexual”   normalmente  sentem-se atraídas por pessoas de um género diferente de si mesmas. As pessoas que se identificam como “lésbicas” ou “gays” normalmente sentem-se atraídas por pessoas do mesmo sexo. As pessoas que se identificam como “bissexuais” normalmente sentem-se atraídas por mais de um género, como por exemplo, sentirem-se atraídas por mulheres e homens. “Pansexual” é um termo usado por pessoas que se sentem atraídas por mais de um género e sentem que outros termos não incluem pessoas que são transgénero e não-conformes a género (pessoas que têm uma identidade de género ou expressão de género que não corresponde ao sexo atribuído ao nascimento ). As pessoas que usam o termo  “queer”  podem usá-lo para significar lésbica, gay, bissexual ou pansexual, ou podem usá-lo porque outros termos não descrevem bem suas experiências.

Assexualidade. Um assexual  é alguém que não sente atração sexual. Assexualidade não é o mesmo que celibato e não é abstinência. Não é uma identidade de género ou um desequilíbrio hormonal. Também não é um distúrbio ou medo de sexo ou relacionamentos. Assexualidade não é uma escolha. É uma orientação sexual, como homossexualidade ou heterossexualidade. Namorar, fazer sexo, experimentar orgasmo, se masturbar, se apaixonar, se casar ou ter filhos não entra em conflito com a assexualidade.
Algumas pessoas podem se identificar fortemente como sendo assexuadas, exceto por algumas experiências infrequentes de atração sexual. Cinza-assexualidade e demisexualidade são exemplos que se enquadram no espectro assexual.

A igualdade de género , também conhecida como igualdade sexual , é o estado de igual facilidade de acesso a recursos e oportunidades, independentemente do género, incluindo a participação económica e a tomada de decisões; e o estado de valorizar diferentes comportamentos, aspirações e necessidades igualmente, independentemente do sexo.

Muitas vezes confunde-se o sexo com género. Podemos dizer que género é a representação ou ideia que cada pessoa têm sobre as características para cada um dos sexos. É a ideia social ou cultural que se atribui a cada um dos sexos. As características de género são muitas vezes arbitrárias e podem mudar  ao longo do tempo e de cultura para cultura. Muitas vezes confunde-se o conceito de género com o conceito de sexo biológico, quando na realidade são conceitos distintos.

Contudo, existem crenças que associam o sexo ao género, ou seja, a sociedade define ou vai definindo em diferentes épocas, aquilo que é considerado “masculino” ou “feminino”. Mas se o papel de género, masculino e feminino são definidos pela sociedade, pode haver intolerância para quem viola estas regras. Se o papel de género não corresponder ao “socialmente desejável e esperado”, estas pessoas tendem a ser avaliadas negativamente. Muitas vezes, as pessoas que têm comportamentos associados ao outros sexo ou possuem características associadas ao outro sexo, não são avaliadas positivamente, ainda que mais tarde a sociedade considere esse comportamento aceitável ou mesmo desejável.

Por exemplo, aquilo que era considerado “feminino” há poucos anos atrás (como usar brincos, perfumes ou cremes de beleza), e considerado um papel de género apenas tolerável nas mulheres, é considerado “masculino” actualmente ou considerado um comportamento aceitável para os homens  ( o que seria intolerado há poucos anos). Seria impensável um jogador de futebol exibir joalharia ou brincos em 1980 pois certamente teria sanções sociais.

As primeiras mulheres que usaram calças sofreram fortes sanções sociais porque este uso era considerado estritamente masculino e reservado aos homens, enquanto que hoje este comportamento é banalizado.

Igualdade de gênero, igualdade entre homens e mulheres, implica o conceito de que todos os seres humanos, homens e mulheres, são livres para desenvolver suas habilidades pessoais e fazer escolhas sem as limitações impostas por estereótipos, papéis rígidos de género e preconceitos. Igualdade de género significa que os diferentes comportamentos, aspirações e necessidades de mulheres e homens são considerados, valorizados e favorecidos igualmente. Isso não significa que mulheres e homens tenham que se tornar iguais, mas que seus direitos, responsabilidades e oportunidades não dependerão do fato de nascerem homens ou mulheres. Equidade de género significa justiça de tratamento para mulheres e homens, de acordo com suas respectivas necessidades. Isso pode incluir tratamento igual ou tratamento diferente, mas que é considerado equivalente em termos de direitos, benefícios, obrigações e oportunidades.-  ABC of Women Worker’s Rights and Gender Equality, OIT, 2000. p. 48

O desejo de tocar e ser tocado é uma das necessidades básicas humanas, havendo estudos que afirmam que a falta de contacto físico podem ter efeitos negativos no bem estar de uma pessoa.

Porém, ao longo da vida, e especialmente numa cultura como a nossa, com profundas influências judaico- cristãs, é frequente recebermos mensagens negativas sobre o sexo e sexualidade. Mensagens como “o prazer é sujo e mau”, “o sexo é imoral”, “o sexo é para pessoas jovens”, podem ter um efeito bastante prejudicial, ao diminuir a liberdade e bem- estar que cada pessoa devia sentir na expressão da sua sexualidade.

A sexualidade deve ser encarada de uma forma positiva e saudável. Uma pessoa que se sente à vontade com as questões da sexualidade, emoções e relacionamentos, é capaz de dar e receber amor sem restrições. Uma sexualidade bem integrada no funcionamento da nossa personalidade é um dos factores responsáveis por uma vivência recompensadora e feliz.

O amor abrange uma variedade de estados emocionais e mentais fortes e positivos, que vão desde a mais sublime virtude ou bom hábito, o mais profundo afeto interpessoal e o mais simples prazer. Um exemplo dessa gama de significados é que o amor de uma mãe difere do amor de um cônjuge, que difere do amor pela comida. Mais comummente, o amor refere-se a um sentimento de forte atração e apego emocional. O amor também pode ser uma virtude que representa a bondade humana , a compaixão e carinho, como “a preocupação altruísta, leal e benevolente pelo bem do outro”. Também pode descrever ações compassivas e afetivas em relação a outros seres humanos, a si mesmo ou a animais.

O amor em suas várias formas age como um grande facilitador das relações interpessoais e, devido à sua importância psicológica central, é um dos temas mais comuns nas artes criativas . O amor tem sido postulado para ser uma função para manter os seres humanos juntos contra ameaças e para facilitar a continuação da espécie.

Filósofos gregos antigos identificaram cinco formas de amor : essencialmente, amor familiar (em grego , Storge ), amor amigável ou amor platônico ( Philia ), amor romântico ( Eros ), amor de convidado ( Xenia ) e amor divino ( Ágape ). Autores modernos têm distinguido novas variedades de amor: amor não correspondido , o amor apaixonado , auto-amor , e amor cortês . Culturas asiáticas também distinguiram Ren, Kama , Bhakti , Mettā , Ishq , Chesed e outras variantes ou simbioses desses estados. O amor tem significado religioso ou espiritual adicional . Essa diversidade de usos e significados, combinada com a complexidade dos sentimentos envolvidos, torna o amor muito difícil de definir consistentemente, comparado a outros estados emocionais.

A palavra “amor” pode ter uma variedade de significados relacionados, mas distintos, em diferentes contextos. Muitas outras linguagens usam várias palavras para expressar alguns dos diferentes conceitos que em inglês são denotados como “amor”; Um exemplo é a pluralidade de palavras gregas para “amor”, que inclui ágape e eros. As diferenças culturais na conceituação do amor duplamente impedem o estabelecimento de uma definição universal.

Embora a natureza ou a essência do amor seja assunto de debate frequente, diferentes aspectos da palavra podem ser esclarecidos pela determinação do que não é amor (antónimos de “amor”). O amor como uma expressão geral do sentimento positivo (uma forma mais forte de como ) é comumente contrastado com o ódio (ou apatia neutra ). Como uma forma menos sexual e emocionalmente íntima de apego romântico, o amor é comumente contrastado com a luxúria . Como um relacionamento interpessoal com implicações românticas, o amor é às vezes contrastado com a amizade , embora a palavra amor é frequentemente aplicado para fechar amizades ou amor platônico. (Outras possíveis ambigüidades vêm com os usos “namorada”, “namorado”, “apenas bons amigos”).

O amor abstratamente discutido geralmente se refere a uma experiência que uma pessoa sente por outra. O amor frequentemente envolve cuidar, ou identificar-se com uma pessoa ou coisa (cf. teoria da vulnerabilidade e do cuidado do amor ), incluindo a si mesmo (cf. narcisismo ). Além das diferenças transculturais na compreensão do amor, as idéias sobre o amor também mudaram muito ao longo do tempo. Alguns historiadores ditam concepções modernas de amor romântico à Europa cortês durante ou depois da Idade Média , embora a existência prévia de ligações românticas seja atestada pela antiga poesia de amor.

A natureza complexa e abstrata do amor frequentemente reduz o discurso do amor a um cliché que encerra o pensamento. Diversos provérbios comuns consideram o amor, do ” Amor conquista tudo ” de Virgílio ao ” Tudo que você precisa é amor ” dos Beatles . São Tomás de Aquino , seguindo Aristóteles , define o amor como “querer o bem do outro”.  Bertrand Russell descreve o amor como uma condição de “valor absoluto”, em oposição ao valor relativo .  O filósofo Gottfried Leibniz disse que o amor é “se deliciar com a felicidade do outro”. Meher Baba afirmou que no amor há um “sentimento de unidade” e uma “apreciação ativa do valor intrínseco do objeto de amor”. O biólogo Jeremy Griffith define amor como “abnegação incondicional”.

A psicologia retrata o amor como um fenómeno cognitivo e social. O psicólogo Robert Sternberg formulou uma teoria triangular do amor e argumentou que o amor tem três componentes diferentes: intimidade, compromisso e paixão. A intimidade é uma forma em que duas pessoas compartilham confidências e vários detalhes de suas vidas pessoais, e geralmente é mostrada em amizades e romances românticos. Compromisso, por outro lado, é a expectativa de que o relacionamento é permanente. A última forma de amor é atração sexual e paixão. O amor apaixonado é mostrado na paixão e no amor romântico. Todas as formas de amor são vistas como combinações variadas desses três componentes. O não amor não inclui nenhum desses componentes. Gostar só inclui intimidade. O amor apaixonado só inclui paixão. O amor vazio só inclui compromisso. O amor romântico inclui intimidade e paixão. O amor companheiro inclui intimidade e compromisso. Amor tolo inclui paixão e compromisso. Por fim, o psicólogo americano Zick Rubin procurou definir o amor pela psicometria na década de 1970. Seu trabalho afirma que três fatores constituem o amor: apego, cuidado e intimidade.

Seguindo os desenvolvimentos nas teorias elétricas, como a lei de Coulomb , que mostrou que as cargas positivas e negativas se atraem, análogos na vida humana foram desenvolvidos, como “os opostos se atraem”. Ao longo do último século, pesquisas sobre a natureza do acasalamento humano geralmente revelaram que isso não é verdade quando se trata de caráter e personalidade – as pessoas tendem a gostar de pessoas semelhantes a elas mesmas. No entanto, em alguns domínios incomuns e específicos, como o sistema imunológico , parece que os humanos preferem outros que são diferentes de si mesmos (por exemplo, com um sistema imunológico ortogonal), pois isso levará a um bebê com o melhor dos dois mundos. .

O psicólogo Erich Fromm afirmou em seu livro The Art of Loving que o amor não é apenas um sentimento, mas também ações, e que de fato o “sentimento” do amor é superficial em comparação ao compromisso com o amor através de uma série de ações amorosas. Nesse sentido, Fromm sustentou que o amor não é, em última instância, um sentimento, mas sim um compromisso e uma adesão a ações amorosas em relação a outro, a si mesmo ou a muitos outros, por uma duração sustentada. Fromm também descreveu o amor como uma escolha consciente que em seus estágios iniciais pode se originar como um sentimento involuntário, mas que depois não depende mais desses sentimentos, mas depende apenas do comprometimento consciente.

 

Os paradoxos e mitos do amor romântico

Quando as pessoas falam sobre amor romântico, elas tendem a descreve-lo como a coisa mais gloriosa do mundo. Em geral, falam sobre os benefícios de ter um parceiro (a) e sobre como é bom ter alguém que o ame e o entenda nesse nível. É claro que existem efeitos positivos do amor, mas é importante ter em mente que também existem alguns aspectos negativos.

A forma como o amor romântico é experimentado nos dias de hoje pode levá-lo a renunciar a seus outros relacionamentos íntimos (mesmo que não sejam românticos). Você também perde autonomia, independência e liberdade pessoal . Argumentos e inveja também podem surgir, ou um parceiro pode pensar que o outro não está dando tanto para o relacionamento como eles são. Tudo isso pode levar a terminar o vínculo entre eles.

O amor romântico – pelo menos da maneira como o entendemos na nossa sociedade – é cheio de paradoxos. As contradições a seguir podem criar uma quantidade considerável de tensão:

  • Desejo versus possessão : o desejo, não apenas sexual, desaparece quando é satisfeito. Em outras palavras, quando você tem algo, pode ser apreciado, mas não desejado. E o desejo é uma das forças motrizes por trás da queda do amor. Quando você encontra obstáculos na busca pelo cumprimento de seu desejo romântico, a paixão aumenta, ao passo que diminui se isso puder ser feito facilmente.
  • Altruísmo versus egoísmo biológico : socialmente, fomos ensinados que temos que ser altruístas com nossos parceiros, por isso fazemos sacrifícios pela outra pessoa e nos entregamos completamente a eles. Isso colide com os mecanismos evolutivos voltados para a busca de prazer e maximização da probabilidade de transmissão genética. Ou em outras palavras, isso vai contra nossos instintos.
  • Idealização versus realidade : a idealização do outro é um dos pilares do apaixonar-se, pois é a origem de suas expectativas do relacionamento e do desejo de intimidade. Mas à medida que o relacionamento se desenvolve, a idealização desaparece à medida que você começa a conhecer como a outra pessoa realmente é.
  • Paixão vs. convivência : esta é uma das contradições mais difíceis, porque depois de viver com a mesma pessoa por um tempo, a paixão que você sente gradualmente diminui. Mas as normas socioculturais dizem que você precisa formar um relacionamento estável quando sente paixão e que deve durar ao longo do tempo.
  • Compromisso versus independência : as pessoas querem segurança. Procuramos compromisso, união e apoio, e queremos nos sentir exclusivos. Mas, ao mesmo tempo, queremos autonomia e liberdade do apego, para que possamos manter nossa independência. Como você pode imaginar, equilibrar essas duas necessidades é uma tarefa difícil e influencia diretamente o nível de satisfação no relacionamento romântico.
  • Fidelidade versus o desejo de algo novo : os seres humanos têm impulsos que nos guiam em direção a novas coisas, mesmo que isso seja explicitamente proibido. Em outras palavras, temos impulsos não- monogâmicos. Com o tempo, nos sentimos atraídos por outras pessoas, e isso colide diretamente com a norma social de exclusividade sexual para o resto de nossas vidas. Esta regra é totalmente cultural, já que não ocorre em outras espécies ou mesmo em todas as sociedades humanas.
Mitos do amor romântico

Por milhares de anos, remontando aos trovadores franceses na Idade Média, fomos doutrinados nos caminhos do amor romântico, tanto que muitos agora acreditam que o amor romântico é a mais pura – e talvez a única – forma de verdade. Essas falsas representações de amor fazem um grande prejuízo aos que procuram relacionamentos satisfatórios e duradouros. Você, consciente ou inconscientemente, subscreveu esses mitos? Desenvolvemos expectativas, consciente e inconscientemente, sobre nossos relacionamentos amorosos e tentamos realizá-los. Quando essas noções são inatingíveis, o estresse é inevitável.

Mito 1: O amor é eterno

O amor romântico apaixonado e excitante pode ser irresistível. Mesmo além do desejo físico do novo amor, o amor romântico pode parecer uma experiência infinita e espiritual que transcende outras experiências de amor. Muitos desistiriam de qualquer coisa para “se perderem” no amor romântico ou descobrirem que “alguém especial” é o universo criado apenas para eles. Quando encontrado, o mundo parece um lugar mágico.

Como algo tão especial pode falhar no teste do tempo?

O amor, em todas as formas, é frágil; requer esforço contínuo para suportar os altos e baixos da vida. Casais que não tendem a seu relacionamento podem achar que até mesmo o amor mais profundo pode diminuir com o tempo. A diferença é que, em relacionamentos saudáveis, baseados na substância e não na paixão, os parceiros podem se reconectar com as qualidades que amam sobre a outra pessoa e experimentar uma intimidade renovada repetidas vezes.

Mito 2: O amor verdadeiro pode ser facilmente distinguido da paixão

Nos estágios iniciais de um relacionamento, os sentimentos podem ser tão intensos que é difícil imaginar que eles possam ser uma ilusão que se dissipa com o tempo. Mas é impossível sustentar um estado tão exaltado. Como o amor romântico é uma emoção, inevitavelmente flutua. E o que sobra quando a excitação desaparece são as realidades de ser humano – hábitos irritantes, falhas de caráter, imperfeições físicas -, tudo isso pode ser menos do que estimulante para o indivíduo que procura manter a ilusão do amor romântico.

Até que uma quantidade significativa de tempo passe, pode ser difícil avaliar se um laço é baseado em compatibilidade genuína, mera atração ou uma paixão com a sensação de estar apaixonado. O verdadeiro amor requer compromisso, que se desenvolve ao longo do tempo, muitas vezes através de uma série de provações e tribulações.

Mito 3: Minha alma gémea saberá o que estou a pensar e a sentir

Esperar uma conexão tão profunda que faça fronteira com a leitura da mente é uma configuração para o fracasso. Os relacionamentos mais fortes compartilham uma coisa em comum: boa comunicação. Somente conhecendo alguém com o passar do tempo e trabalhando para o entendimento mútuo, pode um relacionamento sobreviver. Casais que estão juntos há décadas podem se conhecer tão bem que suas interações parecem clarividentes, mas isso só ocorre depois de anos de aprendizagem.

Mito 4: O amor é tudo que você precisa

Nas culturas ocidentais, onde muitos dos mitos do amor romântico nasceram, ficamos obcecados com a ideia e a busca do amor romântico. Uma vez alcançado, acreditamos que o amor romântico será a raiz de toda a felicidade, mas com cada relacionamento que se segue, nos perguntamos: “É isso?”

O amor, especialmente o amor romântico, não é o único requisito para um relacionamento satisfatório, e certamente não resolverá todos os problemas de relacionamento. Uma parceria exige comunicação, valores e objetivos compartilhados e muito do que dar e receber. “Mas eu amo ele / ela” nunca é uma boa razão para ficar em um relacionamento doentio.

Mito 5 Quando eu encontrar o parceiro certo, serei completo

Desde a tenra idade de 1 ou 2, começamos nossa educação em amor romântico com contos de fadas aparentemente inócuos que terminam com a bela donzela e seu príncipe vivendo “felizes para sempre”. À medida que envelhecemos, essas lições sobre como se apaixonar são reforçado através de livros, músicas, televisão e filmes.

Consciente ou inconscientemente, essa visão do amor romântico torna-se o ideal pelo qual lutamos em nossas vidas pessoais. Mais tarde, quando a busca do amor romântico não passa de uma lembrança melancólica do passado, muitos continuam ansiosos por esses sentimentos intensos, mas em última instância insustentáveis.

Muitos homens e mulheres acreditam que quando o Sr. / Sra. Certo vem pela porta, eles finalmente se sentirão inteiros. Todas as suas necessidades serão satisfeitas; eles serão capazes de realizar todos os seus objetivos; e eles finalmente serão felizes. Muitos vão tão longe a ponto de pintar uma imagem do que o Sr. / Sra. Parece certo, tipicamente encaixando as imagens estereotipadas do homem mais alto e mais forte e da bela e delicada mulher.

Nenhum homem ou mulher pode viver de acordo com essas expectativas, nem precisa para ser um parceiro saudável e amoroso. O parceiro “certo” não pode ser “consertado” ou “resgatado”, e não irá (ou não deve) mudar quem eles são ou como eles se encaixam no molde do seu homem ou mulher ideal. Relacionamentos saudáveis ​​são formados entre duas pessoas independentes e inteiras que decidem compartilhar suas vidas. Já é uma pessoa “inteira” antes de qualquer relacionamento.

Uma extensão desse mito é a crença de que quando você encontrar o parceiro certo, o sexo será ótimo. Como todos os aspectos de um relacionamento sólido, a compatibilidade sexual requer comunicação aberta, confiança e esforço contínuo.

Separando a fantasia de conto de fadas da realidade do relacionamento

O problema com esses e outros mitos sobre o amor romântico é que muitos de nós logicamente sabem que são falsos, mas ainda assim nossos corações e ações são governados por eles. Comprometemo -nos a um relacionamento apenas para descobrir anos depois que nos ressentimos de nosso parceiro por não atender a todas as nossas necessidades e desejos; nós saímos com pessoas boas e apropriadas apenas para descobrir o que há dentro, ainda estamos ansiando que o príncipe dos contos de fadas nos tire dos pés.

Pode ser difícil abandonar a fantasia de que o amor romântico é real e sustentável. Mas quando construímos nossas vidas em torno da busca do amor romântico, esses mitos podem levar à depressão, abuso, divórcio, trauma emocional, vício em relacionamentos e amor, e outros problemas.

Desistir de um falso ideal abre as portas para formas mais saudáveis ​​e gratificantes de amar. Reconhecer essas distorções da realidade e os estereótipos excessivamente simplificados é o primeiro passo em direção ao crescimento pessoal e à satisfação no relacionamento. Com autoconsciência e disposição para realizar o trabalho,  poderá optar por aceitar a verdade: Os relacionamentos amorosos são o alicerce de nossas vidas, mas somente quando fundamentados na honestidade, compreensão e aceitação mútuas. Se quebrarmos o mito do amor romântico, podemos começar a ter expectativas mais realistas de relacionamentos e, por sua vez, levar vidas mais felizes e saudáveis.