Marcações de Consultas de psicologia com Fernando Lima Magalhães
Psicologo Clinico Dr Fernando Lima Magalhaes
 
 

Marcar uma consulta Presencial ou Online (Skype)

 

 

O começo é a parte mais difícil do trabalho" 

Platão

Marcação de consulta Presencial ou via Skype

Teremos todo o gosto em recebe-lo (a) no nosso Gabinete de Psicologia, depois de fazer umasala entrada consultorio marcação prévia. Fica situado na Rua de Camões, em frente à estação de metro da Trindade. O ambiente proporcionado pela consulta é calmo e acolhedor, onde o cliente é atendido com todo o cuidado e atenção. O nosso atendimento é personalizado e individualizado, sem pressas, respeitando o ritmo de cada pessoa. Pode marcar a consulta logo que decidir, para que a tenha o mais rapidamente possível. O tempo de espera é de cerca de uma semana ou menos.

É natural que sinta ansiedade e apreensão antes da consulta, pois poderá ser algo novo e desafiador, mas ao aceitar este desconforto é um primeiro passo para uma mudança e que provavelmente irá sentir-se melhor depois da consulta.

 

Marcações de Consultas Presenciais no Consultório:

As marcações de consultas de Psicologia são feitas preferencialmente por e-mail ou por telemóvel:

Mail: Preferencialmente, envie-nos um e-mail, indicando os dias e horas da sua preferência, o seu nome, idade, contacto de telemóvel, indicando se deseja uma consulta presencial ou online e o motivo da consulta resumido (se possível) para: psicologoporto@gmail.com

Telemóvel: 96 623 00 87 , disponível de segunda a sexta-feira, em dias úteis, apenas entre as 15 e as 19 horas. Se não for logo atendido, por favor queira deixar mensagem. Tenha em consideração que não é possível atendimento de chamadas fora deste horário. consultorio 3

Horário das Consultas: As consultas presenciais no consultório são feitas habitualmente de segunda a Sexta-feira, entre as  10h e as  21h. Eventualmente poderemos atender aos Sábados. Não são aceites pedidos de consultas urgentes. A espera para uma consulta pode variar entre uma a duas semanas.

Confirmaremos, logo que possível, por telefone ou mail, a data e a hora do atendimento no gabinete. Ao marcar a consulta, é conveniente que nos indique o nome, data de nascimento, contacto telefónico e um breve motivo da marcação, para que possamos preparar o melhor possível a primeira sessão.

 

Honorários das consultas presenciais

Preço da Primeira Consulta presencial (80 minutos) - 60EUR. 

Preço das Consultas seguintes presenciais (50 minutos)- 50EUR.

Pagamento em numerário ou cheque. Multibanco não disponível. (Estes valores são válidos a partir de 01 de Janeiro de 2017)

Acordos: Não dispomos de acordos com entidades.

 

Marcações de Consultas de Psicologia pela Internet, via Skype:

A consulta psicológica pode ser feita através do Skype, poupando tempo e custo de deslocação ou nologo do skype caso de não residir em Portugal ou não poder deslocar-se ao consultório no porto.

 As consultas on-line realizam-se segundo os mesmo padrões de ética e de responsabilidade que as consultas presenciais. É  recomendável ter acesso a um programa de processamento de texto (Ex: Microsoft Word) , a um programa de leitura de documentos em PDF e folhas de papel A4 para ler e responder aos exercícios propostos, tal como na consulta presencial.

O preço por consulta online é de 45EUR / 50 minutos. O pagamento deve ser realizado antes da consulta por paypal ou por transferência bancária. Após termos a confirmação do pagamento irá receber no seu e- mail a confirmação com data e hora para a consulta On-line  e o ID do skype do Psicólogo)e um questionário de avaliação inicial que deve responder antes da primeira consulta. Recebe todas as instruções detalhadas por e-mail. Este é um serviço seguro, confiável e eficaz.

Para mais informações envie-nos um mail a solicitar as regras de marcação de consultas online através do e-mail psicologoporto@gmail.com

 

Regras de Marcação de Consultas:

Desmarcações: A desmarcação de uma consulta só é aceite se realizada com 24h de antecedência. (exceto em casos com justificação médica). Qualquer desmarcação de consulta no próprio dia, falta ou esquecimento implica  o seu pagamento, pois a hora foi reservada e não pode ser utilizada. Se não puder vir à consulta , agradecemos que nos informe o mais rápido possível, por sms, mail ou telefone, com um mínimo de 48 horas de antecedência. É importante que o faça, para fazermos outra remarcação ou atender outras pessoas que estejam em lista de espera.

Morada:

Rua de Camões, nº 111, 5º andar, Sala 23 (Edifício Camões)

4000-144 Porto- Portugal

Fica situado em frente à Estação de Metro da Trindade; próximo da praça da República e da Câmara Municipal do Porto.

Parques de Estacionamento: Trindade Domus, Parque da Trindade; Parque do Edifício Mapfre

Metro: Estação Trindade. Linhas: A, B, C, D, E, F

Autocarros STCP : 201, 202, 208, 501, 600, 703

E-mail: psicologoporto@gmail.com

Por quem vou ser atendido? Por Dr. Fernando Lima Magalhães, Licenciado em Psicologia pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto.

 

 

A minha perspectiva da Consulta Psicológica

Por Fernando Lima Magalhães

Este texto é constituído por 4 partes e pretende esclarecer a minha forma de trabalhar na área da psicologia clínica:

1- Mitos e Lendas associados ao Psicólogo

2- A relação terapêutica

3- As diferentes terapias Psicológicas

4- A minha abordagem

 

1- Mitos e Lendas associados ao Psicólogo

 Na nossa cultura fomos bastante educados para esconder qualquer sinal de fraqueza ou de defeito. Quando pensamos em procurar ajuda, e neste caso, ajuda psicológica, pode custar a aceitar que não conseguimos, sozinhos, ultrapassar determinada questão, que não sabemos o que fazer, que estamos assustados e com medo ou que nos sentimos perdidos. Infelizmente, acreditamos que demonstrar certos sentimentos é sinal de fraqueza ou "defeito", e por isso temos os esconder dos outros.

Ou seja, existe uma crença bastante generalizada de que temos de ser "fortes", superar todos os obstáculos da vida e problemas, enfrentar tudo "sozinhos", etc. Esta crença pode ser ilustrada nas ideias de "os homens não choram", "as mulheres têm de controlar as emoções", etc.

Ou seja, podemos acreditar que temos de satisfazer determinadas expectativas sociais, parecendo sempre bem diante dos outros, que sabemos lidar perfeitamente com qualquer situação, a apenas expressar emoções positivas,  etc.

Na realidade, todos as ideias anteriores são falsas. Provavelmente, quanto mais negamos uma "fraqueza", mais ela poderá tornar-se forte. Quanto mais escondemos alguma emoção negativa, mais ela poderá tornar-se evidente.

Ou seja, não há nenhuma pessoa que não tenha sentido necessidade de ajuda psicológica ao longo da vida e isto faz parte da nossa forma de sermos "humanos". Ser humano, especialmente connosco próprios, é reconhecer que todos precisamos de todos e que podemos precisar de ajuda em qualquer momento da vida. Reconhecer isto não é nenhuma fraqueza, é pelo contrário,  sinal de auto- estima, sinal de amor - próprio e sinal que querer sentir-se melhor, de aprender com as situações de vida pode (e deve) ser feito com a ajuda dos outros.

A família ou os amigos podem ajudar-nos a lidar com algumas situações, mas noutras vezes é preciso um "técnico" mais especializado que contribua para a mudança e para o bem- estar.

É muito mais fácil ser o que somos e admitir e aceitar aquilo que somos do que inventar uma identidade "falsa" que achamos que vai ser mais "atraente" aos olhos dos outros. Não há pessoas perfeitas, não há "mentes" perfeitas. Forçar a parecermos bem diante de toda a gente pode ser uma boa forma de nos auto- enganar. Ou seja, reconhecer e aceitar uma "fraqueza" é um sinal de força porque é sinal de honestidade connosco próprios, é o primeiro passo para a mudança, se for esse o desejo e sermos humanos significa que podemos precisar de uma orientação para um ou outro caminho. A imperfeição é, provavelmente, a melhor definição para "seres humanos". Por isso, é totalmente irrealista querer corresponder a este mito da perfeição e da "força", a todo o custo e a todo o tempo. Como pessoas, partilhamos sentimentos e a capacidade de sentir empatia por outras pessoas. Esta sensação de comunhão com os outros surge de reconhecermos a mesma emoção, de partilharmos sentimentos que afinal são iguais a outras pessoas, mas que podemos pensar que são únicos e que mais ninguém sente o mesmo que nós. O que pode diferir é a interpretação que fazemos dos acontecimentos ou na nossa resposta a eles. Somos iguais porque por vezes perdemos a confiança de enfrentar os desafios que o mundo nos coloca e é o facto de todos partilharmos esta "vulnerabilidade" que nos faz humanos.

Se há o medo de parecer "fraco", é porque estamos preocupados com a opinião dos outros e com as pessoas que tentam dar este rótulo. Mas a única opinião capaz de nos fazer sentir mal ou bem, é a opinião que temos de nós próprios. Os outros não podem sentir por nós (ainda que nos possam compreender) e só nós é que poderemos escolher ou decidir pensar /agir de forma diferente, que por sua vez nos poderá fazer sentir melhor.

Admitir a fraqueza, que é universal, é portanto, ser corajoso.

O grande problema, neste caso, na nossa opinião, é o modelo de pensamento na nossa cultura que critica e estigmatiza o que supostamente é "fraco", incluindo um transtorno psicológico, o que nos pode inibir e condicionar a procura de ajuda. Ou seja, a nossa cultura, frequentemente não favorece a auto estima nem promove os métodos positivos e realistas de lidar com diversas situações de vida. Noutros países é completamente banal ir ao psicólogo; consultá-lo não está envolto em qualquer estigma ou mal-estar, da mesma forma que as pessoas quando precisam de ir ao médico, vão consulta-lo, sem se preocuparem com algo do género "o que será que os outros vão pensar se souberem que vou ao um psicólogo?"... Num mundo ideal não seriam necessários psicólogos ou médicos, mas num mundo real não deveriam existir "preconceitos" na ida ao psicólogo, se tal se mostrar necessário...

É sinal de fraqueza consultar um nutricionista ou um arquitecto? É sinal de fraqueza consultar um Psicólogo?

 

2- A relação terapêutica

 

A qualidade da relação terapêutica que se estabelece entre o psicólogo e o cliente será, provavelmente, um dos factores mais decisivos no sucesso de uma intervenção psicológica. Para este fim, acreditamos e procuramos manter as seguintes qualidades na nossa intervenção:

- Acreditamos que as pessoas têm um potencial de mudança e qualidades positivas que lhes permitam lidar com os problemas quotidianos. ( que serão desenvolvidos pelo psicólogo)

- Aceitação incondicional das diferenças existentes entre os indivíduos e da variabilidade humana, o que implica acreditar em diferentes perspectivas e estilos de vida e que poderão ser positivos para quem os escolheu. Como consequência, a relação terapêutica proporciona segurança ao paciente, sentindo este que é respeitado. O paciente nunca poderá ser julgado, devendo o psicólogo promover a autonomia das pessoas, a sua privacidade, dignidade e bem- estar.

Serão estes os princípios que orientam a nossa conduta. (para além do óbvio respeito do código deontológico dos psicólogos)

 

3- As diferentes terapias Psicológicas

 

Existem centenas de abordagens psicológicas que têm sido utilizadas para ultrapassar dificuldades emocionais e outros transtornos psicológicos. Existem muitos tipos de psicoterapia e medicações, dos quais alguns serão mais eficazes para tratar um problema específico. Mas também existem muitas terapias psicológicas, realizadas há muitos anos, que não demostraram eficácia.

A nossa abordagem psicológica é ecléctica porque temos em conta as qualidades únicas de cada indivíduo, a sua história de vida, personalidade e as questões que apresenta. Acreditamos na contribuição positiva dos vários modelos de intervenção, desde os princípios da construção da relação terapêutica veiculados pelo Humanismo, à abordagem mais directiva e estruturada da perspectiva Cognitvo- Comportamental, para além do Construtivismo.

Tendo em conta a grande variedade de tratamentos psicológicos disponíveis e a importância do custo- eficácia de cada abordagem, alguns países e associações de psicologia, nomeadamente a Associação Americana de Psicologia - APA (secção 12), conduziram estudos e definiram orientações profissionais sobre os tratamentos psicológicos que são realmente eficazes.

A Associação Americana de Psicologia elaborou, em resultado das sua investigações, uma síntese onde discrimina "Tratamentos bem estabelecidos" e "Tratamentos provavelmente eficazes".

É esta perspectiva que valorizo, a do uso de tratamentos bem estabelecidos e de eficácia comprovada cientificamente, que maximizam a relação custo/eficácia, ou seja, que permitam obter os melhores resultados possíveis no mais curto espaço de tempo. Alguns exemplos de modelos de tratamento que utilizamos são:

Depressão- Terapia Cognitiva de Beck, A,

Fobia Social e Ansiedade Social- Debra A. Hope e Richard G. Heimberg

Ansiedade- Terapia Cognitivo- Comportamental de Brown, T; O´Leary, T. & Brown, D. H.

Ansiedade e Preocupações- Richard E. Zinbarg, Michelle G. Craske

Stress- Treino de Inoculação do Stress, de Meichenbaum, D.

Transtorno Obsessivo- Compulsivo- David S. Riggs e Edna B. Foa

Transtorno de pânico e agorafobia- Terapia Cognitivo- Comportamental de Barlow, D. H. & Cerny, J. A.

Etc.

Estes tratamentos são recomendados pela Associação Americana de Psicologia, a maior autoridade mundial na área da Psicologia, que realça a importância das psicoterapias que demonstram eficácia no tratamento de diversas problemas. Existem muitos tipos de psicoterapias, mas só algumas realmente funcionam e demonstram resultados.

Quase todos os investigadores e técnicos concordam que os tratamentos empiricamente validados devem ser adaptados às necessidades individuais dos clientes / terapeuta, de forma a torna-los mais eficazes no mundo real e complexo da psicologia clínica.

A terapia cognitiva é um excelente tratamento para a depressão, ansiedade, ataques de pânico, culpabilização e medos. Estas técnicas podem ser altamente eficazes e funcionar rapidamente, mesmo sem o uso de medicação. Nós procuramos uma actualização permanente na nossa formação e na nossa biblioteca, no sentido de providenciar as melhores técnicas disponíveis e os melhores manuais, a nível mundial, de tratamento para cada transtorno psicológico.

Apesar de não acreditar num modelo de terapia "superior" ou que seja eficaz com todas as pessoas (penso que isto não existe porque todas as pessoas são diferentes), a  terapia cognitivo- comportamental (TCC) tem-se revelado de uma eficácia extraordinária num grande número de transtornos psicológicos e num grande número de pessoas. Claro que esta forma de terapia não será eficaz com todas as pessoas (nem as outras terapias serão eficazes para toda a gente), mas à partida é a que tem demonstrado maiores probabilidades de superação de muitos transtornos, em comparação com outras terapias.

A TCC inclui um conjunto de técnicas que são usadas em conjunto e que têm sido sistematicamente avaliadas com resultados muitos positivos. A TCC também é a forma de terapia mais estudada e comprovada através de inúmeros estudos científicos, devidamente controlados. A TCC difere de outras formas mais tradicionais de terapia nos seguintes aspectos:

- A TCC é directiva, na qual o terapeuta está activamente envolvido e faz sugestões muito específicas.

- A TCC centra-se na mudança de um problema particular. Há outras formas de psicoterapia que se centram no conhecimento das causas profundas de um problema, mas não oferecem estratégias específicas para ultrapassar o problema.

- A TCC tem uma duração mais curta que muitas outras formas de psicoterapia.

- A TCC centra-se em crenças e comportamentos actuais, que são responsáveis pela manutenção do problema. Outras formas de psicoterapia centram-se mais em experiências decorridas na infância. Isto não implica que a TCC não explore aspectos ocorridos há muito tempo na vida das pessoas.

- Na TCC o terapeuta e cliente trabalham em conjunto.

- A TCC envolve a mudança de crenças e comportamentos para que o cliente seja capaz, autonomamente, de lidar com os problemas.

Todavia, talvez o factor mais importante para a mudança é aquilo que o cliente está disposto a fazer de diferente no seu dia-a-dia, de forma consistente. Por exemplo, se alguém quiser peso, só essa pessoa poderá fazer os comportamentos necessários (como fazer exercício físico regular e uma alimentação equilibrada) e a mudança existe em função daquilo que o indivíduo fizer, com a orientação de um médico ou nutricionista, neste caso.

 Para a maioria dos problemas psicológicos, são necessárias cerca de 10 a 20 sessões, pelo que não é realista esperar uma mudança grande em apenas uma consulta, pois não se muda numa hora formas de pensar e agir que podem existir há meses e até há vários anos.

Porquê a TCC e não outro tipo de terapia?

Apesar das psicoterapias psicodinâmicas serem ainda bastante populares, elas têm sido criticadas extensamente e estão a perder terreno em relação a novas formas de terapia (Antony, M; Swinson, R, 2000). Algumas razões para o declínio das terapias psicodinâmicas são:

- Existem poucas provas que apoiem os pressupostos teóricos da psicodinâmica. Por exemplo, não há investigação clínica que apoie a perspectiva de que a depressão é causada por sentimentos de agressividade em relação aos outros, que passaram a ser contra a própria pessoa.

- A maioria dos pressupostos teóricos das psicoterapias psicodinâmicas não podem ser testados, porque são baseados em motivações inconscientes que não podem ser medidas.

- Em comparação com os tratamentos cognitivo- comportamentais, há poucas provas que apoiem a eficácia das terapias psicodinâmicas para problemas psicológicos específicos, como a ansiedade, fobias e depressão.

- Os objectivos das terapias psicodinâmicas não são, em geral, bem definidos. A terapia é para ajudar os indivíduos a desenvolverem "insight", compreensão ou consciência sobre as causas aparentemente inconscientes dos seus problemas. Mas como o "insight" é difícil de definir, é muito difícil de avaliar se a terapia está a funcionar.

- A psicoterapia psicodinâmica tende a ser dispendiosa e pouco prática. Apesar de existirem terapias breves e menos intensas, as formas mais tradicionais da terapia psicodinâmica envolvem várias consultas por semana ao longo de vários anos.

- As terapias psicodinâmicas não estão muito preocupadas com tratar características específicas de um problema (medo, evitação, ataques de pânico) porque são vistos como sintomas de um problema mais profundo.

- Na terapia psicodinâmica, o terapeuta é visto como o "expert", em relação ao comportamento do cliente e motivações. Como o terapeuta tem o papel de interpretar aquilo que o cliente diz durante as sessões, há o risco de essas interpretações serem "distorcidas" pela perspectiva subjectiva do terapeuta.

Mas apesar disto, a psicanálise tem feito contribuições importantes para a compreensão dos problemas psicológicos.

Algumas pessoas tem a ideia que ir ao Psicólogo irá ser apenas uma conversa infrutífera, banal, sem grandes resultados práticos. Mas isto é muito longe da realidade. O Psicólogo tem uma grelha de leitura e um quadro conceptual que permite interpretar e explicar as "queixas" do cliente, à luz de modelos científicos. Para que a terapia seja mais eficaz, é muito frequente que o cliente preencha inventários, escalas ou testes, no sentido de apurar de forma mais objectiva a informação importante. Paralelamente, são feitos exercícios e actividades, usando as técnicas/ estratégias de intervenção que ajudam a atingir os objectivos da terapia. O Psicólogo e Cliente são ambos activos no trabalho para a mudança psicológica. Desta forma, o cliente vai ganhando autonomia para lidar com os seus próprios problemas, aprendendo uma série de habilidades e tomando novas perspectivas, mais adaptativas, realistas e úteis. As técnicas e o modelo de intervenção cognitivo- comportamental têm demonstrado uma eficácia enorme ao longo das últimas décadas. Não acreditamos que interpretações exóticas ou "rótulos" atribuídos aos clientes (como se faz noutros tipos de terapia), tenham utilidade prática, podendo mesmo "agravar" a opinião que o indivíduo faz de si próprio...

4- A minha abordagem

 Acredito numa abordagem ecléctica, isto é, não nos limitamos a seguir um único  modelo ou intervenção para todos os clientes, pois acreditamos  que cada modelo pode ter contribuições positivas para diferentes clientes. Assim, seleccionamos os modelos/ técnicas de intervenção/ estratégias que funcionarão melhor com cada pessoa, tendo em conta as qualidades únicas de cada indivíduo, a sua história de vida, personalidade e as questões que apresenta. Acreditamos na contribuição positiva de vários modelos de intervenção, desde os princípios da construção da relação terapêutica veiculados pelo humanismo, à abordagem mais directiva e estruturada do Cognitivo- Comportamental, para além do Construtivismo. Procuro uma actualização científica permanente, tanto pela frequência de formações especializadas como pela leitura e análise de artigos científicos, no sentido de proporcionar aos clientes as formas de psicoterapia que se revelam mais úteis e eficazes.

Eu não acredito em terapias nas quais o psicólogo ou psiquiatra tem um papel "passivo" onde se limita a "ouvir" o cliente. Acredito que tanto o "psi" como o cliente deverão ter um papel activo, em que ambos trabalham em conjunto para reduzir o sofrimento e ultrapassar as dificuldades psicológicas. Também acredito e faço por que em cada consulta o cliente leve alternativas para interpretar ou lidar com cada questão colocada ou estratégias que possa aplicar/praticar entre cada sessão.

Tendo em conta os propósitos do Modelo Humanista, a consulta psicológica procura ajudar as pessoas a adoptarem modos de pensar e de sentir "que as tornem capazes de resolver os seus próprios problemas conforme forem surgindo". Procura-se uma compreensão cada vez mais nítida dos seus problemas e ajudá-lo a conseguir uma integração maior da sua própria personalidade.

Se gostar desta abordagem, marque a sua consulta e teremos todo o gosto em recebe-lo (a) no nosso Gabinete de Psicologia. O ambiente proporcionado é calmo e acolhedor, onde o cliente é atendido com todo o cuidado e atenção. Procuramos estabelecer uma relação empática, de compreensão e de não julgamento, fundamentais numa aliança terapêutica. Cumprimos o dever de confidencialidade.

 

Para mais informações, ver também: Terapia e Serviços e Terapia Cognitiva

Última Actualização: 23-mai-2017

 

 

Marcações de Consultas com Dr. Fernando Magalhães

Para mais informações sobre marcações de consultas, por favor clique aqui.