Imagem Corporal- Compreender e gostar

Imagem corporal é a percepção individual sobre a estética ou atratividade sexual de seu próprio corpo. A frase imagem corporal foi cunhada pela primeira vez pelo neurologista austríaco e psicanalista Paul Schilder em seu livro A imagem e aparência do corpo humano (1935).  A sociedade humana sempre atribuiu grande valor à beleza do corpo humano, mas a percepção que uma pessoa tem de seu próprio corpo pode não corresponder aos padrões da sociedade.

O conceito de imagem corporal é usado em várias disciplinas, incluindo a psicologia, medicina, psiquiatria, psicanálise, filosofia e estudos culturais e feministas. O termo também é frequentemente usado nos media. Em todas essas disciplinas e medias, não há uma definição consensual, mas a imagem corporal pode ser expressa como alguém se vê no espelho ou em suas mentes. Ele incorpora as memórias, experiências, suposições e comparações da própria aparência e atitudes gerais em relação à sua altura, forma e peso.  A impressão de um indivíduo sobre seu corpo também é assumida como um produto de ideais cultivados por vários ideais sociais e culturais.

Diante uma série de factores culturais, do desenvolvimento e das experiências individuais, da influência familiar e dos pares, das próprias crenças pessoais, como o perfeccionismo ou o grau de necessidade de aprovação, cada pessoa constroi crenças sobre a própria imagem do corpo.

Uma imagem corporal negativa consiste numa visão desvalorizada da forma do corpo por meio da qual muitas vezes se sente autoconsciente ou vergonha, e assumem que os outros são mais atraentes.  Além de ter baixa auto-estima, sofre tipicamente por fixar-se em alterar a sua aparência física. O comportamento a longo prazo pode, portanto, potencialmente levar a maiores riscos de transtornos alimentares , isolamento e doenças mentais. A imagem corporal positiva, por outro lado, é uma percepção clara e verdadeira da figura de alguém. Além de celebrar e apreciar o corpo, também requer a compreensão de que a aparência de um indivíduo não reflete a sua personalidade ou valor próprio.

A sociedade frequentemente constrói os nossos comportamentos e crenças, ao longo do nosso desenvolvimento pessoal, nas  interacções fisiológicas e psicológicas, e a comum “percepção dos nossos corpos como um reflexo do valor pessoal”, ou seja, como se a “qualidade” do corpo significasse uma medida do valor de cada indivíduo. As transformações da imagem corporal têm sido prevalecentes desde há muitos séculos, especialmente no séc XX e XXI com as rápidas mudanças  nos tipos de corpos ideais. No passado, as normas eram tipicamente estabelecidas por crenças culturais, géneros ou classes sociais. 

Ou seja, o corpo “perfeito” mudou muito ao longo da história, para além de que o “perfeito” nunca existiu e não passa de um conceito abstrato. O ser humano já é inerentemente imperfeito e poderíamos pensar numa aproximação a um ideal “satisfatório. Da próxima vez que  sentir que o seu próprio corpo pode ser menos do que perfeito, lembre-se que a “perfeição” é um ideal efémero, é apenas uma crença que a sua cultura ou outras formas de influência o fizeram acreditar que deveria ser, ou obrigado a mudar e transformar –  e que no entanto este “ideal” é incrivelmente diferente de uma geração para outra. Muitas vezes esta mudança de ideal ocorre porque vai levar a lucros imensos de toda a indústria da beleza… Se amanhã todas a mulheres estiverem satisfeitas com a sua aparência, muitos milhões iriam deixar de ser gastos em cremes de beleza, cirurgias ou ginásios. No entanto, poderá ser positivo tratarmo-nos bem com estes mimos ou outros, mas existe uma linha que separa uma percepção positiva e realista do corpo de uma visão ultra- exigente, que se compara com padrões absurdos, irrealistas e perigosos que tão frequentemente aparecem nos media. Ou seja, o problema surge quando acreditamos que precisamos atingir um certo padrão de beleza para nos autorizarmos a sentir auto- estima (Ex: quando atingir o peso ideal vou sentir bem), como se fosse uma condição obrigatória para sentir valor pessoal. (ou como se o valor das pessoas fosse algo mensurável ou definido em função de características físicas… Na realidade, o valor de cada pessoa é naturalmente intrínseco, já existe desde que nascemos (ainda que a publicidade nos faça acreditar que precisamos daquele creme..)

 

Imagem corporal positiva vs. negativa

A maioria das pessoas já experimentou o desejo de modificar algum aspecto de sua aparência: cabelos muito finos, cálvice,  nariz comprido demais ou uma cicatriz que não desaparece, por exemplo. Em muitos casos, essas imperfeições percebidas não criam ansiedade significativa e têm pouco impacto no senso geral de identidade de uma pessoa. Indivíduos que aceitam e amam seus corpos sem ficarem obcecados sobre o que eles acreditam ser defeitos podem ter uma imagem corporal geralmente positiva ou saudável. 

Algumas pessoas podem modificar partes do corpo de que não gostam como cobrir sardas com maquilhagem, usar tratamento para queda de cabelo, treinar no ginásio e assim por diante. Essas ações não implicam necessariamente que a pessoa tenha uma imagem corporal negativa e apenas significam um desejo normal de aperfeiçoamento. Imagem corporal saudável significa que está confortável com o corpo que tem. Isso não significa que você acha que seu corpo é perfeito, e sim que você o aceita e se compromete a amar e cuidar dele.

Indivíduos que têm o que pode ser considerado uma imagem corporal negativa tendem a se preocupar sistematicamente com o que consideram ser falhas corporais e podem ter uma percepção distorcida das características físicas. Eles podem se sentir desconfortáveis ​​em seus próprios corpos; acham difícil aceitar a aparência deles, sentir desconforto, insatisfação,  vergonha ou mesmo repugnância em relação à sua aparência, mesmo tendo objectivamente um peso ou índice de massa corporal normal. Consideram uma “obrigação” atingirem um ideal “irrealista” divulgado em certos media, e sentirem muita ansiedade e vergonha enquanto não atingirem esse suposto “ideal”. Constroem uma definição muito rígida ou exigente sobre o que deve ser o corpo ideal.

Embora algumas pessoas possam ter uma imagem corporal predominantemente positiva e outros, com mais frequência, sentirem-se negativamente sobre seus corpos, a imagem corporal não é tipicamente categorizada numa de duas categorias, mas sim que a imagem corporal é vivenciada ao longo de um continuum. A maioria das pessoas experimenta diferentes graus de sentimentos positivos e negativos sobre seus corpos em diferentes momentos. Além disso, a imagem corporal é subjectiva e nem sempre reflecte a realidade: a imagem mental do próprio corpo pode, portanto, estar em desacordo com o que um observador externo vê.

Os media podem ter uma poderosa influência na imagem corporal. Televisão, anúncios, ícones da cultura pop e outras medias podem ter um impacto poderoso sobre como as pessoas encaram seus corpos. Convencionalmente pessoas atraentes com características e corpos idealizados parecem apresentar um tipo de corpo “ideal”, e a publicidade geralmente sugere que todos podem alcançar um corpo, rosto ou aparência similar, se fizerem apenas o esforço. Mensagens abertas e ocultas ao longo dessas linhas aparecem com frequência em todos os media.  Basta ver televisão por cinco minutos para ouvir a mensagem de que, se olharmos de uma determinada maneira, também podemos ter aquele parceiro de aparência ideal ou aquele emprego perfeito de sonho. Na verdade, tudo o que temos a fazer é comprar o champô anunciado, comprar o creme mais caro para as rugas, atingir o peso correto e todo o amor, sucesso e aprovação do mundo irão acontecer!

Essas mensagens podem ser prejudiciais porque os padrões de atractividade física retratados pela media muitas vezes são bastante inflexíveis e podem não ser atingíveis por todos. Uma pessoa pode tingir ou cortar o cabelo com relativa facilidade, usar lentes coloridas para mudar a cor dos olhos e obter um físico mais tonificado no ginásio. No entanto, outras características, como estrutura facial, formato do corpo e voz, podem ser mais difíceis de mudar, e tratamentos caros podem ser necessários para isso. Alguns aspectos do corpo de uma pessoa, como altura, não podem ser alterados. 

Ainda assim, muitos indivíduos podem comparar seus corpos aos tipos de corpos retratados como ideais, e isso pode levar à insatisfação. Em alguns casos, uma pessoa pode se fixar na idéia de alcançar o “corpo perfeito” e tornar-se obessivo em comportamentos extensos ou extremos, como dieta excessiva e exercícios ou cirurgias estéticas repetidas, para alcançar o corpo desejado. Esse comportamento pode colocar indivíduos em risco de problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade e transtornos alimentares. 

Embora os media muitas vezes coloquem mais ênfase na forma feminina ideal, um número crescente de anúncios e imagens também apresenta o que é considerado pela opinião popular como o físico masculino perfeito. Curiosamente, esse foco elevado nos padrões de atratividade masculina coincide com um aumento no número de homens que experimentam imagem corporal negativa. Enquanto as mulheres tendem a relatar maior preocupação com características faciais, peso, forma, seios, coxas e nádegas, os homens geralmente estão mais preocupados com a altura, a definição muscular e os sinais de queda de cabelo. Para atingir o tipo de corpo desejado, eles podem funcionar até um grau que poderia ser considerado extremo ou usar esteróides anabolizantes para aumentar a massa muscular. Nos últimos anos, os homens também optaram por modificar suas características com a cirurgia estética em maior número do que no passado. 

Imagem corporal e auto-estima

Imagem corporal e auto-estima são conceitos relacionados, mas distintos. A imagem corporal descreve a atitude de alguém em relação a um único aspecto do self, o corpo físico, enquanto a auto-estima se relaciona com a visão de um indivíduo de si como um todo. A auto-estima pode envolver uma avaliação do seu valor global e geralmente não se limita ao corpo físico. No entanto, a maneira como as pessoas pensam e sentem sobre seus corpos está frequentemente fortemente conectada à sua visão geral de si mesmas. 

Vários estudos, conduzidos em várias faixas etárias, demonstraram consistentemente uma relação positiva entre a autoestima e a imagem corporal. Em outras palavras, a auto-estima mais elevada está ligada a uma imagem corporal mais positiva, enquanto a baixa autoestima está associada a uma imagem corporal mais negativa. No entanto, a pesquisa ainda não determinou a direção do relacionamento. A imagem corporal pode ser reduzida pela baixa auto-estima, mas uma imagem corporal negativa pode facilmente levar a baixa auto-estima. 

As pessoas com baixa auto-estima tendem a ser mais críticas em relação à sua própria aparência e são mais propensas a se envolver em comparações negativas de si mesmas com os outros, uma ação demonstrada para aumentar a probabilidade de insatisfação corporal. Por outro lado, aqueles que experimentam uma imagem corporal mais negativa podem ficar preocupados com sua aparência e são menos propensos a se concentrar nas forças pessoais em outras áreas, o que pode resultar numa avaliação menos favorável da autoestima. 

Uma boa auto- estima é construída com base em múltiplas variáveis sobre nós próprios! Existe uma ampla base para a auto-estima quando existem outras qualidades que formam uma base para a sua autoestima. Essas qualidades podem incluir a sua óptima personalidade, o sentido de humor, habilidade em tocar um instrumento musical, seus talentos e dons, seu sorriso, sua contribuição para sua comunidade, ter muita cultura em história, ser bom em matemática, etc etc. Quando tem um número de coisas diferentes que valoriza sobre si mesmo, sua visão de si mesmo também será mais estável, estável e sólida. Mas se baseia a sua auto- estima apenas na aparência, e como esta vai inevitavelmente mudar, naturalmente, as consequências para a auto- estima serão óbvias.  

Distorção e Insatisfação da Imagem Corporal

Como a imagem corporal é tipicamente baseada mais em percepções e sentimentos do que na aparência real, ela pode ser vulnerável à distorção. A distorção da imagem corporal refere-se a uma percepção equivocada de uma ou mais características do corpo. Geralmente, envolve uma discrepância significativa entre o tamanho percebido e a forma do corpo ou um ou mais aspectos do corpo e a forma e tamanho reais do corpo ou de suas características. As pessoas que sofrem distorção da imagem corporal podem ver um corpo no espelho que é significativamente diferente do seu corpo físico real. 

A insatisfação com a imagem corporal geralmente envolve avaliações negativas do corpo e pode ocorrer quando uma discrepância é percebida entre o próprio corpo e o corpo ideal. A insatisfação corporal costuma estar associada à distorção da imagem corporal, mas esses dois estados não estão necessariamente vinculados. Uma pessoa pode estar insatisfeita com algum aspecto da aparência física sem sentir distorção da imagem corporal e também pode experimentar uma percepção distorcida de alguma característica corporal sem antes sentir insatisfação. Da mesma forma, pode-se estar insatisfeito com a aparência, ou certos aspectos, sem experimentar uma percepção equivocada. 

Transtorno Dismórfico Corporal (TDC)

O TDC é uma forma grave de perturbação da imagem corporal, na qual os indivíduos ficam preocupados com alguma falha percebida em sua aparência física ou demonstram preocupação com pequenas irregularidades físicas numa extensão que pode ser considerada excessiva. Eles podem experimentar uma visão distorcida de seu corpo e podem se preocupar que alguma característica de sua aparência seja pouco atraente ou desproporcional a outras partes do corpo. Sua fixação nesses defeitos menores ou inexistentes pode tornar-se grave o suficiente para interferir na função normal e, muitas vezes, pode causar sofrimento pessoal e social significativo. 

Muitas vezes, começando na adolescência, estima-se que a TDC afete um em cada 200 indivíduos. Indivíduos com TDC geralmente experimentam insatisfação relacionada a partes específicas de seus corpos, tais como características faciais, cabelo ou genitália, em vez de insatisfação com a forma, tamanho ou peso geral, como é frequentemente experimentado por aqueles diagnosticados com um transtorno alimentar. Além disso, pessoas com TDC podem ficar tão desconfortáveis ​​com o pensamento de outras pessoas percebendo falhas percebidas que tentam cobri-las com roupas ou maquiagem. Em alguns casos, aqueles com TDC podem evitar completamente o contato social e se recusam a deixar suas casas. Quase metade de todos os indivíduos diagnosticados com TDC procuram cirurgia plástica para corrigir defeitos percebidos.

imagem corporal na terapia

Preocupações relacionadas à imagem corporal podem frequentemente ser exploradas em terapia, e a terapia cognitiva – comportamental tem se mostrado eficaz no tratamento de preocupações relacionadas a uma imagem corporal que pode gerar um impacto negativo no bem-estar de um indivíduo. 

O objetivo da terapia é reduzir a preocupação com as falhas percebidas e ajudar o indivíduo em tratamento a desenvolver uma percepção mais realista e positiva do corpo. A TCC frequentemente envolve a psicoeducação, que visa ajudar os indivíduos a se conscientizarem da natureza da imagem corporal e do papel que certos fatores desempenham no desenvolvimento de sua imagem corporal pessoal. Na terapia, os indivíduos podem ser encorajados a fazerem em automonitoramento, muitas vezes mantendo um diário, a fim de se tornarem mais conscientes tanto dos pensamentos negativos e positivos quanto das emoções relativas ao seu corpo, bem como dos fatores que os desencadeiam. Por meio da reestruturação cognitiva, o terapeuta pode ajudar os indivíduos a modificar pensamentos, sentimentos e comportamentos que podem ser prejudiciais à saúde, e os indivíduos podem tornar-se mais capazes de aceitar e amar seus corpos como resultado. 

Um número de estudos demonstrou a eficácia da TCC da imagem corporal. 

 

Referências:

Grogan, S. (2008). Body image: Understanding body dissatisfaction in men, women and children (2nd ed.). New York: Routledge.